ABSTRACT

Pretendemos traer al debate el tema del acceso al patrimonio genético y al conocimiento tradicional asociado y la investigación científica en el contexto brasileño, evidentemente insertado en la problemática latinoamericana.

Según el informe de las Naciones Unidas, América Latina es actualmente una superpotencia agropecuaria, aunque también puede ser una superpotencia en el campo de servicios de biodiversidad, del carbono y del agua dulce.

KEYWORDS

Biodiversidad
Patentes
Sociedad indígena
Floresta amazónica
Investigación, ética y medio ambiente

ARTICLE INFO

Rights and Science / R&S
Vol. 0 (2017), Issue 0
55-71

REFERENCES

ABRANTES, D. P. (2010). “Povos Indígenas e Meio-Ambiente”. Na obra: Direito e Biodiversidade. Coordenada por C. A. GOMES. Curitiba: Juruá.

AGUILERA, P. G. (2013). Biodiversidad, derecho y negocios. Bogotá: Universidad Externado de Colombia.

BELFORT, L. F. I. (2006). A proteção dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas, em face da convenção sobre a diversidade biológica, Brasília: UNB.

BENSUSAN, N. (2004). “Biodiversidade, Recursos Genéticos e Outros Bichos Esquisitos”. Na obra: O direito e o desenvolvimento sustentável. Obra organizada por A. V. V. RIOS e C. T. H. IRAGAY. Instituto Internacional de Educação do Brasil. São Paulo: Peirópolis.

BOSQUÊ, A. F. dos S. (2012). Biopirataria e Biotecnologia – A tutela penal da Biodiversidade Amazônica. Curitiba: Juruá.

CEOLIN, L. P. S. (2012). Liberdade de Pesquisa e Meio-Ambiente. Curitiba: Juruá.

COHEN, C. & GARCIA, M. (2007). Questões de Bioética Clínica. USP- Medicina e HC. São Paulo: Elsevier.

COLAÇO, T. L. (2013). “O Direito Indígena a Partir da Constituição de 1988”. Na obra: Constitucionalismo Latino-Americano – Tendências Contemporâneas. Organizadores: A. C. WOLKMER e M. P. MELO. Curitiba: Juruá.

COSTA, F. B. L. (2010). “Biodiversidade Amazônica, Biopirataria e direito de patente”. En C. A. GOMES. Direito e Biodiversidade. Curitiba: Juruá.

DÍAZ, J. de la Torre (ed.) (2008). Dignidade Humana y Bioética. Madrid: Universidad Pontificia ICAI-ICADE Comillas.

DINIZ, M. H. (2009). O estado atual do biodireito. 6ª Edição. São Paulo: Saraiva.

DUTFIELD, G. (2004). “Repartindo Benefícios da Biodiversidade: Qual o papel do sistema de patentes?”. Na obra: Diversidade Biológica e Conhecimentos Tradicionais. Organizadores: A. F. B. PLATIAU & M. D. VARELLA. Belo Horizonte: Editora Del Rey.

FREITAS, J. (2011). Sustentabilidade – Direito ao Futuro. 1ª Reimpressão. Belo Horizonte: Editora Fórum.

GEROSKI, P. (1995). “Markets for technology: knowledge, innovation and appropriability”. In P. STONEMAN (ed.). Handbook of the Economics of Innovation and Technological Change. Oxford and Malden.

HOGEMANN, E. R. (2013). Conflitos Bioéticos, Clonagem Humana. 2ª Edição. São Paulo: Saraiva.

MALUF, A. Caldas Rego Freitas Dabus (2015). Curso de Bioética e Biodireito. Terceira Edição. São Paulo: Editora Gen. Atlas.

MITTERMEIER, R. A. & ROBLES, P. (1997). Megadiversity: Earths biologically wealthiest nations. México: Cemex.

PRADO, A. R. M. (2010). “A trajetória da legislação penal no combate à biopirataria”. En: Código Florestal. Coordinada por S. T. SILVA, S. CUREAU Y M. DIEGUEZ. São Paulo: Fiúza.

RIFKIN, J. (1999). O século da biotecnologia: a valorização dos genes e a reconstrução do mundo. São Paulo: Makron Books.

SHIVA, V. (2001). Biopirataria: a pilhagem da natureza e do conhecimento. Petrópolis: Vozes.